Crises? Mudanças? Revoluções? O gestor contemporâneo PODE se posicionar e enfrentar essas situações!

Crise econômica e financeira, caos político, mudanças nos hábitos e preferências dos consumidores, transformações sociais e morais… Apesar das revoluções tecnológicas que vêm surgindo nos dias de hoje com extremo potencial de auxiliar a gestão empresarial, empreender negócios sustentáveis ao longo do tempo tem se tornado uma tarefa cada vez mais complexa.

Os ambientes em que as empresas operam estão em um nível de instabilidade e hostilidade tão altos que se torna muito difícil tomar decisões de forma efetiva que conduzam a empresa no caminho desejado.  

imagem 1104

Isso se reflete fortemente no índice de mortalidade das empresas brasileiras. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2015, auge da crise econômica no país, tivemos um saldo negativo de empresas que abriram em relação ao número de empresas que fecharam: foram 708,6 mil empresas abertas no país, ao passo que fecharam 713,6 mil. Também foi levantado o fato de que menos de 40% das empresas sobreviviam por mais de 5 anos no mercado.

Apesar desses números, não são poucos os empreendedores que apontam o período de crise como um momento de amplo crescimento. Isso demonstra que, muitas vezes, o que pensamos ou fazemos destes momentos influencia diretamente nos resultados que iremos obter. Como disse Mark Caine, jornalista:

“O primeiro passo rumo ao sucesso é dado quando você se recusa a ser um refém do ambiente em que se encontra.”

O mundo está mudando, sim. Mas isso não precisa ser algo ruim. Na verdade, pode ser uma grande oportunidade para a descoberta de como fazer as coisas de forma diferente e, com isso, atender a necessidades que ninguém mais está atendendo.

Por isso, é essencial que os gestores tenham cuidado com as áreas do negócio que, muitas vezes, se perdem por conta da rotina apertada em que as coisas urgentes são priorizadas e as importantes acabam sendo deixadas de lado.

Refinar e gerir a estratégia da empresa (ou até mesmo, construí-la), tocar o marketing com a atenção que ele exige, cuidar das pessoas que compõem a empresa a fim de garantir sua motivação e desenvolvimento e diminuir a rotatividade, realizar o monitoramento do desempenho do negócio em suas diversas frentes… Muitas vezes, o gestor está tão sobrecarregado tocando atividades operacionais e rotineiras que não consegue tocar essas questões mais estratégias e tão essenciais para o negócio.

E sem esses processos, se diferenciar no mercado e criar estratégias de sobrevivência em meio à crise se torna muito difícil. Nos tempos em que vivemos, tudo isso se torna pré-requisito para empreender. As empresas que não perdem o foco e conseguem se atentar a tudo isso são as que sobrevivem à crise e, não só sobrevivem, como crescem e se aproveitam desse momento para inovar e se destacar.

Mas como fazer isso no meio dessa rotina caótica? Para tornar esse processo viável, duas coisas são essenciais: definir prioridades e delegar tarefas. O Princípio de Pareto, também conhecido como Regra do 80/20, é um princípio econômico percebido pelo economista Vilfredo Pareto que sugere que 80% dos resultados de algo vêm de 20% das atividades realizadas (não necessariamente são números exatos, mas giram em torno disso).

Apesar de ser um conceito a princípio econômico, conseguimos observar sua incidência em diversas situações dentro das empresas: 20% dos clientes trazem 80% das vendas, 20% dos funcionários são responsáveis por 80% dos resultados, e 20% das atividades da empresa são as mais influentes em 80% do desempenho da empresa – portanto, podem ser vistas como as mais importantes.

É essencial então que o gestor consiga realizar esse filtro nas atividades que realiza a fim de manter seu foco nas coisas certas. Que atividades são realmente as mais essenciais e devem estar nas mãos de pessoas com maior responsabilidade e zelo pelo negócio? Dessa forma, as outras atividades podem ser delegadas para os outros colaboradores da empresa, diminuindo a sobrecarga dos membros de nível decisório e melhorando a qualidade do trabalho que eles realizam.

Gestor, se responsabilize pelo sucesso do seu negócio! Num mundo tão rico em informações acessíveis e poderosas, você tem tudo o que precisa para criar mais e assim conseguir ultrapassar todos os obstáculos que vierem a surgir. Não passe o ponto, tome conta dele!

Slide1

Escrito por: Ana Luísa Monclair

Consultora – AD&M Consultoria Empresarial

Deixe uma resposta